segunda-feira, 8 de abril de 2013

Manhã

Abraço a luz da manhã,
Eco da visão ancestral.

Murmúrio de ti,
Voz povoada de augúrios,
Seiva da alma do tempo.

Canta e ilumina
Meu caminho na floresta,
Sussurra os segredos
Do sonho que me habita,
Desvenda o orvalho
Em beijos primaveris.

Doce estrela matinal,
Tange a lira da aurora
E derrama em mim
O néctar da melodia!