terça-feira, 19 de outubro de 2010

Fuga

Comecei a morrer quando te perdi. Rouxinol feliz, de cores vibrantes e asas estendidas, fiz-me bicho. Toupeira que cava fundo na terra para fugir da luz do dia. Não quero ouvir o canto primaveril das aves. E elas calam-se. O luto do inverno soturno cobre o silêncio e eu escondo-me onde nenhum som possa chegar. É o murmúrio quieto da morte. Fico à espera. No limbo que é a vida sem ti.