segunda-feira, 8 de abril de 2013

âncora

barco à deriva na noite
eólicos lamentos de ontem
prelúdio místico do ser

ancoraste-me em nós
no tempo inteiro que fica
entre a vida e o nada
o limiar do voo e a madrugada

ancoraste-me na ternura
na calma das tuas mãos
fresca onda marinha
claro dia nascente