sexta-feira, 24 de setembro de 2010

búzio

sou a concha que te acolhe teu escudo protector nas noites de tempestade perdeste a bússola as estrelas esconderam-se o astrolábio tornou-se inútil o barco à deriva no mar alto da solidão ouves as vozes procuras os rostos quem és não sabes um búzio sem casa que gela nas ondas

domingo, 19 de setembro de 2010

Canto

Regresso a casa num barco de estrelas, depois de me ter procurado nas sombras da lua. Escondi-me de mim e perdi-me, adormecida nas asas do vento norte. Segui o sinal da lira - lira fulgurante de palavras inquietas. Leve o canto que me fez retornar a mim. Água cristalina que refresca a minha cauda de sereia. Amiga do vento. Habitante da água. Filha da terra que foge do fogo e busca o longe sem fim.