sexta-feira, 24 de setembro de 2010

búzio

sou a concha que te acolhe teu escudo protector nas noites de tempestade perdeste a bússola as estrelas esconderam-se o astrolábio tornou-se inútil o barco à deriva no mar alto da solidão ouves as vozes procuras os rostos quem és não sabes um búzio sem casa que gela nas ondas