sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Ternura

é antiga a ternura do teu gesto
tão antiga que é presente
galgou eras e séculos
e veio repousar no meu colo
qual ave que regressa ao ninho

a saudade da tua ternura
essa também vem de longe
abriu as comportas do tempo
e sentou-se ao meu lado
neste banco de jardim
em que me medito

boa companhia
a saudade da ternura
e a ternura da saudade
folha de outono suspensa em mim
memória da semente
que será flor