sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

estrela-guia

procuro a estrela da manhã - aquela que me viu nascer. que vaticínios que fado me fadou que caminho me traçou neste mundo tão longe de mim? lançou-me à vida ordenou-me que caminhasse mas a única bússola é a luz longínqua que atesta uma presença vigilante. vela por mim ou observa-me simplesmente? incita-me ou testa-me? quem sou eu, estrela da manhã? ser alado que recebeu na alma o teu brilho involuntário? ser mitológico expectante à espera de ganhar corpo? ser corpóreo que se alimenta das pedras duras do sonho? fito-te nas alturas e pergunto o que queres de mim. respondes com a inquietude e a saudade do longe. kaminho para ti - estrela da manhã. não sei que trilho tomar. sigo a tua luz e sinto que não estou só.