segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Poema

pena de ave caída no chão
lágrima suspensa em solo árido
mágoa perene
vazio do tempo
sonhos perdidos sem bússola nem mapa
sorriso adiado da terra prometida
juras desfeitas em dilúvio de neve
espírito ausente
para sempre